Filed Under:  Esportes

Tite fecha planejamento para a Copa do Mundo e quer uma seleção mais ‘humana’

1st dezembro 2017   ·   0 Comments

Sorteio que define adversários do Brasil no Mundial acontece nesta sexta

O plano montado pelo técnico Tite para a seleção brasileira visando a Copa do Mundo de 2018 tem um objetivo: “humanizar” o grupo e criar um clima positivo com as famílias dos jogadores e com o torcedor. Edu Gaspar, coordenador de seleções da CBF, explicou nesta quinta-feira que a ideia da entidade é resgatar a relação da seleção com o “povo” e, para isso, vai promover um jogo de despedida no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, antes de embarcar para a Rússia.

A intenção é também a de “quebrar paradigmas” e evitar o confinamento dos jogadores por quase dois meses. A CBF confirmou nesta quinta-feira que Sochi será de fato a base da seleção brasileira na Rússia. Tudo, porém, será feito para “quebrar tabus”.

Seleção brasileira vai buscar o hexa na Rússia

Seleção brasileira vai buscar o hexa na Rússia

Foto: Pedro Martins / MoWA Press

A seleção não terá psicólogos. “Tite é um bom psicólogo”, disse Edu Gaspar. Se sob o comando de Luiz Felipe Scolari, a “família Scolari” era a prioridade; agora a família dos jogadores ganhará importância. Por isso, todas serão convidadas a ficar em um hotel perto da seleção em Sochi.

“A família potencializa a vitória. Onde é que uma família não é bem-vinda?”, questionou Edu Gaspar, lembrando a sua experiência no Corinthians de permitir o acesso dos filhos dos jogadores aos sábados. “Não queremos ninguém 100% confinado. São muitos dias e precisamos ter relações com a família. Humanizar o dia a dia. Fazer uma coisa mais normal, bater bola com o filho”.

Em Sochi, o hotel usado pela seleção não será exclusivo para o time. Mas Edu Gaspar deixa claro que isso não quer dizer que a concentração se transformará em uma nova Weggis, a cidade na Suíça da bagunçada preparação para o Mundial de 2006, na Alemanha.

Tite não vai adotar cartilhas. “Dia de folga é dia de folga”, avisou Edu Gaspar. Ele, porém, insiste que tudo será “conversado antes”. “O que não podemos ter é surpresa”. O coordenador não teme ser alvo de espiões. “Não podemos ficar pensando nisso. Hoje temos tecnologia que filma até a alma”, brincou.

Readers Comments (0)