Filed Under:  Comportamento

Como tornar meu filho mais independente

9th junho 2015   ·   0 Comments

Pequenas atitudes dos pais podem incentivar a independência e a responsabilidade das crianças desde bebê

Apesar de saber da importância de criar um filho independente, algumas mães ainda se sentem culpadas e confundem o incentivo à independência dos filhos com negligência dos pais.

A psicóloga clínica com especialização em análise comportamental cognitiva, Mariuza Pregnolato, explica que os conceitos são diferentes. Negligência acontece quando os pais não dão atenção ao filho, então a criança se sente desvalorizada e perde a oportunidade de aprender. “O certo é criar independência alimentando a curiosidade da criança, as demandas da natureza dela”, diz Mariuza.

Ana Cristina Fraia, psicóloga e coordenadora terapêutica da Clínica Maia, acredita que é preciso incentivar a independência e responsabilidade das crianças desde pequenas.

“A criança está aí para o mundo. Este senso de independência é o maior presente que se pode dar para um filho”, diz.

É possível incitar a autonomia nas crianças quando elas ainda são bebês, com atitudes simples. “Quando o bebê começa a querer andar, você tem que deixá-lo cair para, desse jeito, aprender a levantar. Coloque almofadas em volta para ele não se machucar, mas deixe-o cair. Ele precisa construir força e coordenação” sugere Mariuza.

Além de deixar o bebê andar sozinho, aprender a comer sem ajuda dos pais também é uma conquista importante. “Têm muitos pais que ficam com medo porque vai fazer muita sujeira na hora de comer. Mas é necessário. A criança precisa pegar e sentir a textura para aprender”, conta Ana Cristina.

Mais velhos

Um pouco mais velhos, os filhos já são capazes fazer escolhas simples como a roupa que vai usar – se precisar, dentre opções previamente escolhidas – o que também é uma maneira de preparar os pequenos para a independência.

Além da própria autonomia, a criança adquire senso de responsabilidade ao fazer pequenas tarefas de casa: desde guardar os próprios brinquedos, arrumar a cama até ajudar a colocar as roupas para lavar.

“Em qualquer idade, sempre tem alguma coisa que dá para fazer sozinho”, diz Ana Cristina. Ela ainda lembra que é interessante tentar transformar as atividades em brincadeira, pois a criança precisa desse lado lúdico na rotina.

Comece convidando a criança para ajudar em alguma tarefa doméstica e não exija a perfeição, é o que recomenda Mariuza. Elogiar também é um ótimo incentivo para que ela queira repetir a ação e aprender cada vez mais.

Sem idade específica

Pode ser mais fácil para as mães liberar estas pequenas ações no começo da vida da criança, mas quando é a hora de deixar um filho sair sozinho na rua pela primeira vez, por exemplo?

As psicólogas contam que não há idade específica para isso e depende de vários fatores, como conta Mariuza: “Tem que estar muito contextualizado. Você tem que perceber a maturidade e interesse da criança, além de características do bairro e da vizinhança”.

Ana Cristina ainda destaca que se as pequenas autonomias são incentivadas na primeira infância, seu filho provavelmente estará mais preparado para sair na rua sozinho.

A mudança não pode ser drástica. Os pais podem ir à padaria com a criança, dizer a ela qual é o pedido, e deixá-la solicitar ao atendente o que precisa. Outras questões clássicas precisam ser lembradas: ensinar a atravessar a rua, memorizar o caminho e orientar a não falar com estranhos. Depois disso, é indicado acompanhar a criança várias vezes, cada vez sugerindo um desafio novo, até que mãe e filho se sintam prontos para uma nova etapa. Nada deve ser forçado e a confiança mútua é essencial para completar o processo.

Frases dos pais que acabam com a autoestima das crianças

Cada criança é única e compará-la a outra promoverá ciúmes e rivalidade com quem poderia ser uma influência positiva

Cada criança é única e compará-la a outra promoverá ciúmes e rivalidade com quem poderia ser uma influência positiva

Foto: Arte iG

Essa frase é um reforço para comportamentos inadequados

Essa frase é um reforço para comportamentos inadequados

Foto: Arte iG

Sempre é melhor reforçar que a família tem regras que devem ser seguidas e que não serão quebradas por uma birra inadequada

Sempre é melhor reforçar que a família tem regras que devem ser seguidas e que não serão quebradas por uma birra inadequada

Foto: Arte iG

O melhor é explicar por que algo não deve ser feito sem envolver a aparência física nisso

O melhor é explicar por que algo não deve ser feito sem envolver a aparência física nisso

Foto: Arte iG

Os pais devem agir em conjunto para o filho se sentir seguro e próximo dos dois

Os pais devem agir em conjunto para o filho se sentir seguro e próximo dos dois

Foto: Arte iG

Quando quiser saber se o que seu filho fala é verdade ou não, pergunte se vocês estão brincando de realidade ou de imaginação

Quando quiser saber se o que seu filho fala é verdade ou não, pergunte se vocês estão brincando de realidade ou de imaginação

Foto: Arte iG

Ouvir que é mentirosa pode fazer com que a criança sinta necessidade de se calar de uma vez por todas, encerrando a comunicação familiar

Ouvir que é mentirosa pode fazer com que a criança sinta necessidade de se calar de uma vez por todas, encerrando a comunicação familiar

Foto: Arte iG

Estudar junto com seu filho em casa, incluindo aulas de reforço nas atividades extracurriculares, pode ser uma boa maneira de ajudá-lo a melhorar as notas

Estudar junto com seu filho em casa, incluindo aulas de reforço nas atividades extracurriculares, pode ser uma boa maneira de ajudá-lo a melhorar as notas

Foto: Arte iG

Explique que é importante se dedicar aos estudos e afirme que a criança pode fazer melhor no próximo bimestre

Explique que é importante se dedicar aos estudos e afirme que a criança pode fazer melhor no próximo bimestre

Foto: Arte iG

Essa frase passa a impressão de que a criança não terá a capacidade de ser adulta um dia

Essa frase passa a impressão de que a criança não terá a capacidade de ser adulta um dia

Foto: Arte iG

Pais podem intervir como companheiros de atividade, não como substitutos

Pais podem intervir como companheiros de atividade, não como substitutos

Foto: Arte iG

Readers Comments (0)